A vida não faz sentido sem objetivos. Arranjar um emprego, emagrecer, se casar, subir uma montanha, escrever um livro e outras coisas do gênero são o que colocamos na nossa frente e se tornam o norte da nossa bússola. Sempre temos um objetivo ou queremos ajustar nosso objetivo.
O problema é que sempre nos deparamos com as mil dificuldades que existem para cumprir qualquer desejo pessoal, pois nenhum de nós tem um gênio da lâmpada para estalar os dedos e resolver tudo. A cada frustração, tropeço, nos perguntamos se escolhemos o caminho errado ou simplesmente queremos desistir. E a inércia sempre está ali, disputando com a nossa determinação para ver quem é mais forte. Invariavelmente cedemos a ela em algum momento. Paramos. E acreditamos que desistimos ou que não somos bons o suficiente para conseguir o que queremos, ou que o mundo é injusto. Justificativas nunca faltam.
Mas também não falta a esperança e a oportunidade de recomeço.
Esse texto é sobre recomeços.
Recomeçar nada mais é que uma tentativa de provar a nós mesmos que nossas esperanças são reais. É criar uma oportunidade mesmo quando o mundo parece girar em sentido contrário a nós. É querer ficar de pé depois de ter tropeçado e ficado no chão sabe-lá por quanto tempo.
Nós precisamos dos recomeços assim como precisamos de objetivos, pois eles são a oportunidade da renovação, da mudança, de tentar de novo. Recomeçar é protestar contra a desistência.
Todas as pessoas bem sucedidas em algo tiveram diferentes tipos de recomeços em seus caminhos. Ninguém abre um negócio de sucesso sem ter fechado diferentes negócios antes. E mesmo quando é o primeiro negócio que prospera, isso se dá após inúmeros momentos de dificuldade, de tropeços que exigiram recomeços arriscados por novos caminhos.
Quem é bem sucedido no amor ou é porque soube criar recomeços em seu relacionamento quando tudo estava perdido, ou porque passou por diferentes relacionamentos até recomeçar de maneira certa, seja com outra pessoa ou até consigo mesmo.
A missão Apollo foi recomeçada 11 vezes, aperfeiçoada a cada etapa, até conseguir, com sucesso, levar humanos até a lua.  Enfim, histórias de recomeços não faltam e certamente você tem as suas.
Hoje, com esse texto simples e talvez até mesmo bobinho, venho fazer um recomeço. Há tempos eu andava parado com o hábito de escrever pois estava focado em outros aspectos da minha vida. E foi percebendo que eu tinha tempo livre e vontade sobrando que decidi recomeçar. Afinal, recomeços não precisam ser as coisas mais bem pensadas do mundo. Não vou mandar uma missão tripulada à lua, vou apenas colocar palavras uma atrás da outra sem grandes pretensões.
Estou retomando esse blog com a intenção de postar continuamente ideias, pensamentos e talvez até histórias. E você tem meu convite para acessar e ler qualquer texto aqui, quando quiser.
Confesso que fiz essa postagem para que ela ficasse como um ‘marco zero’, apesar de eu já ter feito postagens anteriores. Que esse possa ser o prenúncio de uma série de novas postagens. E que, ao contrário da Apollo 1, ela não pegue fogo e se torne um desastre.
Então erga uma taça comigo e brinde:
Aos recomeços!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *